Por que o fotógrafo é um contador de histórias?

Por trás do registro de grandes histórias há, sempre, um grande contador delas. E quando contadas por meio de imagens, procure o nome de um brilhante fotógrafo: pois lá é que ele vai estar.

Com o passar do tempo, equipamentos fotográficos também foram popularizados. Sabemos que, hoje, todos podem tirar fotos. As câmeras de telefones celulares estão cada vez mais sofisticadas.

Isso acontece porque todos queremos documentar e contar uma história. Pode ser a história daquele domingo ou daquele natal… As pessoas querem ter memórias de seus momentos bons.

E a tecnologia é aliada nesse processo. Ela vem avançando e aprimorando equipamentos para que histórias sejam documentadas de forma cada vez mais realista e detalhada.

Empresas estão criando múltiplas câmeras, que são unidas para simular profundidade de campo, por exemplo. Melhora da nitidez, melhora do achatamento de planos… Tudo isso para tornar um relato mais real.

Para que ele não se apague da memória. E qual é o papel do fotógrafo profissional nesse contexto, então?

O fotógrafo testemunha e registra a história…

Partindo do pressuposto que cada pessoa conta uma história a seu modo, uma pessoa comum pode contar sua histórias e esta será, apenas, a sua versão. A qual nunca será igual à de outra pessoa.

Então, quem vai estar lá para contar as histórias mais importantes da vida dela?

Não interessa qual história seja: o dia de seu casamento, o nascimento ou batizado do filho dela, uma grande catástrofe natural ou pequenos acontecimentos do cotidiano…

Quando ela quiser fechar os olhos e apenas viver a história, quem é que vai documentá-la para que ela, no futuro, tenha registros do que aconteceu?

Confie na ótica do fotógrafo para contar sua história

Você, fotógrafo, é o profissional que tem o dom de criar – por meio da observação – uma narrativa para todos os acontecimentos. Nenhum de nós vai saber capturar tão bem um momento – com tanta técnica de criatividade – quanto você.

Além disso, nossos registros são facilmente perdidos entre HDs e locais de armazenamento. O trabalho do fotógrafo, pelo contrário, tem valor: foi feito para atravessar muitas gerações.

Grandes fotógrafos sempre estarão lá para contar grandes histórias.
Steve McCurry. Sebastião Salgado. Platon Antoniou. …

Todos eles são contadores de histórias. Assim como aquele fotógrafo em início de carreira, que está aprimorando técnicas e montando portfólio…

Obrigada pela disposição para contar nossa história em todos os momentos!

Conheça 5 fotógrafas que já entraram para a História

Hoje é dia de valorizar as colegas fotógrafas que, mesmo ainda carecendo do devido reconhecimento (a luta está só começando!), todos os dias levantam, saem de casa e trabalham para deixar sua marca no mundo da fotografia. Para inspirar a todos nós, separamos aqui cinco mulheres que fizeram e fazem História com seus cliques.

Alice Martins (1980 – )

Brasileira nascida em 1980, Alice mora no Iraque e faz cobertura da crise humanitária causada pelos conflitos no Oriente Médio. A Guerra da Síria e os confrontos contra o Estado Islâmico no Iraque foram registradas por suas lentes. É colaboradora de veículos como Harper’s, Time, Stern, Newsweek e The Washington Post.

 


Annie Leibovitz (1949 -)


Conhecida como a “fotógrafa dos famosos”, seu registro mais icônico é a fotografia de John Lennon abraçado com Yoko Ono para a capa da Rolling Stone, em 1971. A americana é conhecida por estabelecer uma relação de intimidade com os modelos que retrata. Já fotografou Angelina Jolie, Demi Moore, Dolly Parton, Whoopi Goldberg, entre outras celebridades.

Crédito do retrato: Julian Siammonds


Carol Guzy (1956 – )

Única jornalista a receber o Prêmio Pulitzer quatro vezes e primeira mulher a ganhar o prêmio Newspaper Photographer of the Year. Fotógrafa do jornal The Washington Post desde 1988, registrou eventos como a erupção do vulcão colombiano Nevado del Ruiz em 1985 e a tragédia no Haiti após o terremoto de 2010. Sua fotografia mais famosa é de 2000, quando clicou o refugiado do Kosovo Agim Shala, de dois anos de idade, passando por uma cerca de arame farpada para ficar com sua família.

Crédito foto menino: Carol Guzy / The Washington Post / Getty Images
Crédito Retrato dela: Jeanie Adams-Smith



Carrie Mae Weems (1953 – )

Nascida em Oregon, Carrie é atualmente uma das mais influentes artistas americanas. A fotógrafa se notabilizou por abordar de forma investigativa questões como racismo, identidade cultural, desigualdade de gênero e classe. Sua arte envolve fotos, texto, tecido, áudio e vídeo.

 


Dorothea Lange (1895-1965)


Considerada a fotógrafa da Grande Depressão, é autora de uma das fotos mais conhecidas da História dos Estados Unidos: Mãe Migrante, de 1936. Na imagem, Florence Owens Thompson, 32 anos, aparece abatida e triste por não ter comida para os filhos. O registro apareceu em mais de 10 mil publicações e jornalistas americanos passaram décadas tentando encontrar Florence, que foi localizada apenas em 1970, vivendo em um trailer. Com suas lentes, Dorothea Lange deu vida aos pobres, aos esquecidos, perseguidos, famílias do campo, trabalhadores e imigrantes. Seus registros retratam uma época de sofrimento. Ela morreu em decorrência de um câncer de esôfago em 1965, alguns dias antes de inaugurar a exposição que retratava sua obra no Museu de Arte Moderna, de Nova York

Tudo o que você precisa saber antes de comprar equipamentos fotográficos no exterior

Muitos profissionais optam por comprar equipamentos fotográficos no exterior. Seja em viagens ou por meio de e-commerce, esta é uma solução amplamente adotada para quem está adquirindo equipamento de trabalho ou quer fazer substituições.

Mas vale mesmo a pena comprar equipamento fora do Brasil?

Há prós e contras em inúmeras situações.

Por exemplo, você pode estar em viagem e querer comprar equipamentos fotográficos por lá. Uma das principais razões pelas quais as pessoas optam por isso é o valor, que é um tanto mais baixo que no Brasil.

Se este é o seu caso, você precisa ficar de olho na tributação que irá pagar ao trazer o equipamento fotográfico para cá. Há normas com relação a isso e, em alguns casos, seu equipamento pode ser categorizado como “bem de uso pessoal”, sim, e nós falaremos sobre isso mais adiante.

No entanto, se você for taxado, talvez o valor não valha a pena tanto assim. O melhor é colocar tudo na ponta do lápis.

Há outra situação em que profissionais brasileiros compram equipamentos fotográficos do exterior: usando sites estrangeiros. Fazem isso também – principalmente – pelo valor.

Neste caso, há a limitação de catálogo para vendas: na maioria dos e-commerce, nem todos os produtos estão disponíveis para vender a outros países. E, além disso, há demora na entrega.

Se você fez as contas e viu que compensa comprar fora do país, vá em frente. Se você ainda não decidiu, nós reunimos algumas perguntas mais frequentes para quem pensa em adquirir equipamento fotográfico no exterior. Veja:

  • Há risco de ser taxado no aeroporto?

Há esse risco, sim. Isso acontece porque há um limite para o valor das compras no exterior. De acordo com o site do Aeroporto Internacional de Guarulhos, quem viaja de avião para o exterior pode gastar, no máximo, US$ 500 em compras, sob pena de pagar multa de 50% sobre o valor excedente (por navio ou via terrestre, a cota de isenção cai para US$ 300).

  • Câmeras e lentes entram como uso pessoal?

Uma câmera fotográfica pode ser compreendida como bem de uso pessoal e fica, portanto, isenta de taxação. Apenas uma. No entanto, em caso de abordagem, será necessário comprovar uso pessoal desta câmera. Já a aquisição de lentes deve, portanto, obedecer ao teto de (no máximo) 3 itens iguais e estar dentro da quota de US$ 500 estabelecida pela Receita Federal.

  • Quais impostos eu tenho que pagar?

Caso o valor dos bens adquiridos ultrapasse a quota, será cobrado um tributo de 50% do valor excedente a US$ 500. O mesmo será aplicado nos casos em que a sua mala for revistada e não estiver condizente com a Declaração de Bagagem Acompanhada, a DBA, feita pelo passageiro ainda no avião.

  • Se eu transferir o dinheiro para um amigo que está em viagem vou pagar imposto?

Há inúmeras maneiras de enviar dinheiro ao exterior. Cada uma delas tem uma margem de tributação, além de serem serviços e, portanto, cobrar taxas. Para saber mais, leia esta matéria da Revista Exame.  

  • Quais são as alternativas nacionais para compra?

O site do Mercado Livreum e-commerce amplamente conhecido – é um excelente canal de compra e venda. Muitos profissionais da fotografia fazem aquisições com bom custo-benefício por lá.   

A Digimagem é revenda oficial da Fujifilm no Brasil. Tem, portanto, os melhores produtos disponíveis. A loja está localizada em Florianópolis/SC, mas seu e-commerce entrega produtos em todo o país.

4 RAZÕES para NUNCA MAIS subestimar o seu portfólio novamente!

Você pode acreditar que não, mas o portfólio é um de seus instrumentos de trabalho. Afinal, sem ele, é impossível mostrar para seus futuros clientes algumas das maravilhas que você já fez com a câmera na mão.

Carregar um bom portfólio ajuda você a mostrar coisas como:

  • a sua identidade como fotógrafo;
  • a imensa qualidade do seu trabalho;
  • quais são suas referências;
  • qual é o seu estilo de direção.

E aquela foto?

Lembra daquela foto incrível que você fez há dois anos naquele casamento? Pois é… Se você não tiver um portfólio, ela não estará lá para mostrar. E se você não mostrar, como vai provar o profissional incrível que é?

Portfólio é subestimado (mas não deveria!)

De qualquer forma, mesmo sabendo que precisam ter o que mostrar em uma reunião com clientes, muitos profissionais acabam subestimando a produção de um bom portfólio.

A razão disso é que separar algumas fotos e correr atrás de um serviço que produza um álbum bacana parece uma missão impossível para alguns profissionais.

Aliás, essa é uma daquelas demandas que você sempre fala que “vai resolver amanhã” e talvez acabe não resolvendo nunca – porque “falta tempo” e várias outras desculpas que costumamos dar para tudo.

Henrique Ribas, um dos grandes nomes da fotografia fala sobre o quanto materializar um trabalho é importante:

um bom portfólio é uma reunião das nossas melhores imagens. Você pode escolher as melhores fotos que já fez em carreira. Ou então, pode escolher mostrar o ensaio/evento que você mais gostou do resultado. Ou você pode, ainda, escolher mostrar os dois! Sempre haverá um cliente que se identifica e se deixa cativar mais por um ou outro…”

“Que tamanho é esse?”

Uma das principais dúvidas é o tamanho. Você informa que o pacote x inclui 50 fotos tamanho 20×25 e vem a clássica pergunta: “Que tamanho é esse?”

Ribas, explica que, se você tem portfólio, você mostra o tamanho das fotos para o seu cliente. “O portfólio materializa e ajuda a vender esses produtos”, diz.

Preparamos uma pequena lista com 4 razões práticas para você investir logo no seu portfólio. Quer ver?

Você sabe por que deveria investir HOJE MESMO em um portfólio?  

  • Você é um profissional incrível. Mas seus clientes sabem disso?

Você precisa ter coisas para mostrar. Afinal de contas, você já falou que é um profissional incrível. Agora, mostre que é. Tenha em mãos SEMPRE as suas melhores produções. Assim, o cliente vai confiar no seu potencial.

  • Seu instagram é incrível, sim. Mas a foto revelada é mais bonita!

Sabemos que você tem aquela página na rede social. No entanto, a materialização vai cativar seu cliente na hora. Ribas, “a valorização pela imagem, pela memória, tem sido cada vez maior”.

As razões para isso, segundo ele, são inúmeras, uma delas é o apego pela memória e a facilidade de perder as recordações que armazenamos digitalmente:

“um HD pode cair e quebrar. O serviço de nuvem pode expirar e esquecer de renovar. Muitos salvaram imagens no orkut e ele sumiu do mercado. E se o mesmo acontecer com o Facebook? São coisas que precisamos pensar”, afirma.

  • É uma forma prática de apresentar variedade de produtos

É provável que você não trabalhe apenas com ensaios. Então, já pensou em ter uma maneira mais prática para mostrar seus quadros e estojos de pendrive? Tenha um portfólio organizado, que apresente todos os serviços que você oferece.

  • A Viacolor faz condições especiais!

Você não precisa mais criar desculpas para não fazer seu portfólio. Agora, pode aproveitar as condições especiais da Viacolor. Que tal?

Na nossa ação de portfólio, oferecemos desconto de 50% para portfólio. Ele deve ser requisitado junto ao atendimento da empresa e os álbuns devem incluir em algum lugar a palavra “portfólio).

Obs.: há um limite de 3 unidades por cliente.

 

Quero um portfólio! Como escolher o meu?

Temos muitos modelos para você escolher. Confira algumas opções:

Para finalizar essa conversa, Ribas deixa um recado: “Mostrar para o seu cliente implica em ele poder pegar na mão, ver a caixa da entrega, sentir o impacto e o tecido, saber como é. Se você não der essa experiência a ele, você não vai ter como materializar a sensação. E terá dificuldade em vender. Colocar o sentimento pela memória em meio físico é o que traz a decisão de fechar negócio”, finaliza. Para saber mais, clique aqui.

O MERCADO DE FORMATURAS COMO VOCÊ NUNCA VIU

Você já pensou em cobrar mais de R$7.000 para fotografar formaturas? Ao contrário do que a maioria das pessoas pode imaginar, existe sim demanda para profissionais que cobram valores como esse. E não estamos falando de atender turmas inteiras, mas sim de um trabalho exclusivo, oferecendo a melhor qualidade que uma formanda ou um formando pode ter em termos de fotografia. Eu, Matheus Rigoni, fotógrafo especializado em formaturas e casamentos, vou falar um pouquinho pra vocês sobre esse mercado tão promissor.

Muitos fotógrafos ficam impressionados com os meus pacotes de formatura. Acreditam que nunca conseguirão chegar perto daqueles valores. Infelizmente, a média cobrada pela maioria dos fotógrafos de formaturas ainda é muito baixa. Por que isso acontece? Existem três grandes motivos:

Você não acredita que é possível e acaba se sabotando.

Entra em uma guerra de preços com seus concorrentes e a qualidade passa a ser secundária nos seus argumentos de venda.

Achar que seu cliente não tem dinheiro.

Esse é um dos principais erros! Você não cria produtos ou serviços adicionais. Ou cria, mas tem medo de oferecer. PARE DE JULGAR seu cliente e achar que ele não tem dinheiro para gastar com você! O que você acha NÃO IMPORTA! Sempre ofereça mais. Você ficará impressionado com a disponibilidade e com a vontade que as pessoas têm em adquirir itens extras. Já fechei alguns contratos de formatura cujo valor chegou a R$11.000. E isso só foi possível porque eu ofereci o melhor que eu poderia para os clientes.

Você não consegue transmitir o valor que seu trabalho vale.

Preciso ser sincero, quando um cliente não se mostra disposto a pagar o valor que cobramos, é porque não conseguimos transmitir o valor que nosso trabalho possui. É nossa culpa, sim! TRANSMITIR VALOR é a chave de qualquer negociação. Portanto, para atrair clientes dispostos a pagar por um valor mais alto, você precisa se mostrar como um fotógrafo mais valioso. Postar suas melhores fotos, impulsionar no Instagram, atendê-los em uma reunião ao invés de tentar fechar o evento por Whatsapp… Resumindo, colocar-se como a melhor opção.

Nos últimos quatro anos, fotografei mais de 200 formandos e, especialmente, formandas, sempre com foco no atendimento exclusivo e diferenciado. E o mais interessante de tudo é que a demanda por esse tipo de serviço só aumenta.

Então, vou revelar cinco fatos sobre o mercado de formaturas no RS que você provavelmente não sabe:

1) A cada semestre, mais de 20 mil alunos se formam no estado;

2) Todos querem ter belas lembranças desse momento;

3) Grande parte deles organiza uma festa de recepção individual;

4) Muitos estão dispostos a investir o valor necessário para que tenham um registro de altíssima qualidade;

5) A maioria dos fotógrafos subestima esse mercado;

Então, olhando para esse cenário, criamos o primeiro Workshop de Formaturas do Brasil, no qual ensinamos o passo a passo para fotografar cada momento da colação de grau e da festa de formatura e, principalmente, como conquistar seus primeiros clientes, valorizar seu trabalho e fechar mais CONTRATOS. Um treinamento COMPLETO que vai levar você a um novo patamar.

www.wsfotografiadeformatura.com.br

www.matheusrigoni.com.br

@matrigoni

Ei, você, fotógrafo que não imprime as próprias fotos: nós precisamos conversar!

Parece bastante absurdo, mas o típico profissional que atua no mercado fotográfico raramente imprime as imagens que produz

As desculpas para que os fotógrafos não tenham suas próprias fotos impressas são inúmeras: falta de tempo, falta de dinheiro, “ah, preciso selecionar aquelas que realmente valem a pena”, e por aí vai a lista imensa de… justificativas infundadas.

No entanto, preste atenção: fotógrafo, imprimir suas próprias fotos é importante!

Por quê?!

O seu sustento vem dos ensaios que você realiza e dos eventos que cobre. Frequentemente, você quer fazer o seu cliente entender que ter álbuns é muito mais vantajoso para guardar as fotos para sempre.

Se você quer vender fotos reveladas aos seus clientes, dê exemplo. Afinal de contas, você não quer ser um daqueles profissionais adeptos do “faça o que eu digo, não faça o que eu faço”. Não é?

Listamos 5 razões para você imprimir suas próprias fotos!

De qualquer maneira, essa não é a única razão pela qual você deve imprimir as suas próprias fotos. Nós listamos algumas razões pelas quais você precisa criar esse hábito. Veja:  

 

  • É preciso ser coerente!

Um processo de vendas se estabelece no momento em que você consegue despertar uma necessidade de qualquer produto ou serviço e atender esta mesma necessidade.

Se você está sendo honesto na sua venda, então você acredita que aquilo que oferece é realmente uma necessidade. Como oferecer uma necessidade uma vez que nem você mesmo acredita nela? Tenha um discurso coerente.

 

  • Você precisa ter um portfólio

Sem um portfólio, não terá o que mostrar na reunião com o seu cliente para apresentar o seu trabalho. Muitos fotógrafos acreditam que este é um investimento caro. Mas você sabia que, na Viacolor, o fotógrafo ganha 50% de desconto em qualquer álbum de portfólio?

ATENÇÃO! Só vale para aqueles álbuns nos quais você orgulhosamente escreve a palavra “portfólio” na capa, certo?

  • Você pode presentear amigos e familiares

É muito legal poder presentear sua família e amigos com coisas do seu trabalho que te tragam orgulhe. Aquela fotografia de tirar o fôlego que você fez no verão passado na praia? Bem, presenteie alguém com ela: alguém que seja realmente especial. Quem sabe fazer um kit de fotos postais? Ou então, um quadro fotográfico? Seja qual for a sua ideia para o presente, nós podemos ajudar você.  

 

  • Não perca os melhores registros que fez em sua carreira

Repetir isso constantemente para os clientes é fácil, mas TENHA CUIDADO para você mesmo não acabar caindo nessa armadilha. De tanto armazenar imagens em HDs ou até na nuvem e esquecer a senha depois… Você vai perder os seus próprios registros. O que é um fotógrafo sem registros fotográficos?

 

  • Você precisa valorizar o seu trabalho

O futuro do mercado fotográfico depende da valorização da fotografia no papel e você precisa ser o agente dessa consciência: nós sabemos que você já acredita que a melhor maneira de guardar uma recordação fotográfica é no papel. Portanto, dê ao seu trabalho a importância que ele merece ter. Saiba mais clicando aqui.

A importância dos álbuns fotográficos

O que você vai dizer ao seu cliente que quer fotos apenas para as redes sociais?

Você, fotógrafo, pode acreditar que eles não são tão importantes assim (embora esconda isso de seus clientes), mas este é mais um ledo engano seu.

A importância dos álbuns fotográficos vai além do que parece, muito embora a maioria das pessoas – entre elas, os mais jovens, chamados nativos da era digital – pensem o contrário.

O mercado fotográfico sente esse desafio.

Vender a importância dos álbuns de fotografia parece uma missão impossível dada a quantidade de clientes esperando para ter as fotos digitais e fazer registros de acontecimentos nas redes sociais. Nós sabemos!

Eles se esquecem, no entanto, que os registros nas redes sociais divergem da real finalidade da fotografia: registrar memórias.

O conteúdo da internet é efêmero: ele nem sempre estará ali. Diferente da real finalidade da fotografia, a qual foi desenvolvida e aprimorada para que nós a tenhamos ainda 200 anos depois de fazê-las.

Para você, profissional da fotografia, há um pequeno tópico muito importante nisso tudo: ao oferecer um álbum fotográfico, você tem a possibilidade de aumentar seu faturamento e complementar sua renda.

“Estou convencido. Mas como vou convencer o meu cliente?”

Sabemos que incutir essa ideia em alguém que não acredita na fotografia física não deve ser algo fácil. Mas nós reunimos alguns argumentos que você pode empregar na hora de persuadir o cliente sobre a importância do álbum de fotografias. Confira:

“Quantas fotos você já perdeu em sua vida?”

Em menos de 15 anos, nós tivemos inovações que mudaram nossas vidas. Redes sociais, tablet, smartphones, computadores de mesa e laptops, internet sem fio, câmeras digitais para vídeo e foto… E, nesse meio tempo, diversas mídias para guardar o que produzimos nesses equipamentos surgiram:

  • disquete,
  • CD,
  • DVD,
  • cartão de memória,
  • pen-drive
  • HD

Todos eles facilmente corrompíveis e você pôde comprovar isso na prática. Toda vez que um CD com 140 fotos simplesmente não rodou mais em máquina alguma, você perdeu todas as suas fotos.

Assim como aconteceu com você, aconteceu com muitas outras pessoas. E, também, com o seu cliente. Pense quantas fotografias (recordações) ficaram pelo meio do caminho e use esse argumento. Seu cliente certamente não quer perder as fotos do filho dele.  

“Sua família guarda fotos da sua infância?”

Inicie a conversa com esse argumento do título e complemente: “Então, faça o mesmo para seus filhos”. Seu cliente certamente não quer ser o responsável por não ter guardado as fotos de alguém: seja dos filhos dele, netos ou sobrinhos…

Se ele teve o direito de ter um álbum de fotografias que atravessou as décadas e resistiu aos tempo para que ele, hoje, possa rever e recordar, então por que vai negar esse direito às crianças da sua família?

“Qual é a verdadeira razão pelas quais fazemos fotos?”

Esse argumento pode ser empregado em conjunto com as perguntas acima. Afinal de contas, todo mundo faz fotografias para registrar algo que deseja guardar para a posteridade. Se você tiver um registro efêmero, a recordação também será passageira. “Mas não é para isso que você está pagando as suas fotografias, não é mesmo?”

“Seus pais me venderiam o álbum de fotografia do casamento deles por 10 mil reais?”

O fotógrafo Fernando Dal Prá explica que todo mundo hoje tem fotos no celular. “Não preciso comentar os acidentes que acontecem com os celulares que fazem as pessoas acabarem perdendo tudo, não é?”  

Ele fala ainda sobre o valor que tem um álbum fotográfico. “Fotografia no papel tem valor inestimável. Proponho que qualquer pessoa faça um teste hoje: chega em casa, pega fotos do passado e coloca na mesa para ver com a família. Por quanto tempo vão ficar vendo essas fotos? A alegria desse momento vai ser inestimável”.

Para o principal argumento de seus clientes (o valor médio do álbum fotográfico), ele rebate: “Muitas noivas falam que o álbum é muito caro. Eu pergunto para elas se os pais delas venderiam o álbum de casamento deles para mim por 10 mil reais. É claro que não venderiam… Um álbum fotográfico de décadas atrás não tem valor. O álbum fotográfico de hoje será o álbum de amanhã”, finaliza.

“Clientes do passado pedem reenvio de fotos que não encontram mais”

José Zignani, um grande nome do mercado fotográfico de casamentos, assina embaixo desses argumentos. Segundo ele, imprimir as imagens é indispensável:

“Mesmo na época digital que vivemos, temos o dever de imprimir nossas imagens para que elas sejam vivenciadas pelas gerações futuras. O digital é muito suscetível a falhas, as fotos podem ser facilmente perdidas. Muitos dos meus clientes passados ligam pedindo para reenviar as imagens que eles não encontram mais”.

O fotógrafo alerta para um fato importante: imagine que o seu fotógrafo fez uma limpeza nos registros e apagou as fotos? Se você perdê-las, nem ele próprio terá as imagens para fazer o reenvio.

Zignani ainda dá dicas: “o livro fotográfico torna nossa história uma realidade presente. Em um simples folhar de páginas, podemos voltar no tempo e reviver cada momento. É a melhor e única forma que eu vejo de ter a história de um casal ou família preservada para sempre”.

Para saber onde fazer os livros fotográficos e álbuns de fotografias de seus clientes, CLIQUE AQUI.

Papel fotográfico: como escolher a melhor opção para minhas fotos?

A fotografia digital facilitou muito o seu trabalho, nós sabemos!

Facilitou o nosso, também.

Mas, hoje, da mesma maneira que é muito fácil ter uma foto, é muito fácil também perdê-la. Assim como qualquer outro conteúdo impalpável: seu cliente troca de celular e de computador todo momento, e a falta de locais confiáveis para armazenar fotografias digitais e mantê-las é um problema…

Álbum de fotos acompanhará seu cliente por toda a vida!

Você sabe disso melhor do que ninguém!

Então, use o argumento: o álbum de fotos segue sendo a melhor maneira de contar uma história, documentar uma vida ou guardar para sempre as memórias daquele aniversário dos sonhos ou daquele momento mágico…

Diferentemente do Instagram, a preocupação não é com a próxima imagem ou com a quantidade de likes: ao folhear um álbum de fotografias, é emocionante recordar o momento por trás do clique.

E nada substitui a certeza de que, por trás de um álbum de fotos, haverá sempre uma memória gravada, a qual o tempo não vai destruir.

Para que seu trabalho cumpra o objetivo e ultrapasse gerações resistindo firmemente à passagem do tempo, há algumas coisas que você precisa observar. Uma delas é o tipo de papel fotográfico que você emprega em suas revelações.

Para entregar imagens com alto padrão de qualidade, escolher o melhor papel para mostrar seu trabalho pode ser uma tarefa de tirar o sono.

Afinal de contas, o tipo de papel fotográfico influencia o resultado final do seu trabalho.

Dicas para escolher o SEU papel!

Pensando nisso, reunimos algumas dicas para que você consiga fazer uma boa escolha na hora de entregar aquele trabalho incrível para os seus clientes.

Afinal de contas, a fotografia precisa ser tão incrível quando o momento retratado, não é mesmo?

Quero comprar O MELHOR tipo de papel!

Antes de tudo, saiba de uma coisa: não existe um papel que seja o melhor para todos os casos, de forma absoluta. Tudo depende do seu objetivo com a foto. Ou seja, para cada resultado, um tipo de papel será recomendado.

Quais são os tipos de papel?

Há vários tipos de papéis fotográficos diferentes.

Você, que é fotógrafo profissional, sabe que o verdadeiro papel fotográfico é o fotossensível, utilizado na revelação química. Portanto, ele sempre será o melhor e mais duradouro.

Fora isso, cada tipo de papel fotográfico carrega um nome que traduz as suas especificações. Elas, por sua vez, diferenciam os acabamentos mais comuns: papel brilhante, papel semibrilhante e papel fosco.

BRILHANTE

Proporciona fotos com cores vivas e vibrantes. Ele destaca os detalhes da imagem. Os papéis considerados brilhantes, diferente da qualidade semibrilho, têm alto poder de reflexibilidade, interagindo e ganhando mais vida quando em contato com a luz. Este é, também, o tipo de papel fotográfico mais sensível ao toque: por ser muito reluzente, as marcas de impressões digitais ficam visíveis.

  • Perolado: entrega imagens brilhantes com textura superior. Seu diferencial é não refletir tanto a luz, o que assegura um contraste mais evidente. É muito mais brilhante que o tradicional papel brilho, sua superfície é extremamente reflexiva. Se o profissional deseja um destaque chamativo em suas fotos, essa é a escolha certa.

SEMIBRILHANTE

Tem um brilho espalhado na textura fosca. Em geral, está dividido em duas categorias, ou melhor, em dois padrões de qualidade. Eles são:

  • Lustrosos: é possível perceber brilho neste tipo de papel, mas um tanto menos que na categoria citada acima. É preciso ter cautela ao utilizá-lo, pois o resultado pode conter marcas de impressões digitais. Empregue-o se a sua fotografia tiver em alta resolução e ele vai entregar o resultado que você precisa.

FOSCO

O papel atinge um bom resultado para fotografias profissionais em alta resolução, pois consegue proporcionar um ótimo acabamento.

  • Velvet: é o melhor papel de todos para uma fotografia de qualidade inquestionável. É o tipo indicado para fotos de grandes casamentos. Ensaios de gestantes e newborn podem se beneficiar desta escolha, pois o toque do papel lembra o toque e a maciez da pele do bebê.

  • Silk: também conhecido como papel linho, é um dos o queridinho dos fotógrafos. Tem como grande diferencial a leve textura. Por ter o acabamento fosco, proporciona enorme ganho em nitidez, mantendo um bom custo-benefício.

Além disso…

 Existem as laminações UV Fosco e UV Brilho, que estão entre o que podemos chamar de “acabamentos clássicos”, já que estão presentes na revelação e encadernação fotográfica há alguns anos. Os papéis fosco e brilho passam por laminações térmicas, o que garante um acabamento mais fino e maior durabilidade para as fotos.

Então…
Agora que você já conhece todos os tipos de papel, esteja de olho também em outros aspectos, que são:

  • resolução da foto,
  • no formato,
  • na gramatura do papel,
  • acabamento desejado;

Tudo isso vai influenciar no resultado final e no valor do seu trabalho. Queira que suas fotografias impressionem para que o seu trabalho seja para sempre. Se precisar de uma mãozinha, conte conosco da Viacolor.

Diferença entre impressão e revelação de fotos: decida até qual geração o seu trabalho vai chegar

Você deve ser questionado sobre qual é a diferença entre impressão e revelação fotográfica inúmeras vezes durante o dia. E é provável que você já tenha dito: “Nenhuma!” e…

Bom, a história não é bem assim!

É natural que as pessoas, incluindo alguns fotógrafos profissionais, acreditem que a escolha é totalmente desnecessária e que imprimir ou revelar não influencia em absolutamente nada no resultado final.

Mas, na verdade, há bastante diferença entre impressão e revelação de fotos . Vamos começar entendendo o que acontece em cada um dos processos.

impressão e revelação de fotos

Impressão de fotos: de tão simples pode ser feita em casa

Funciona de um jeito muito simples: uma impressora imprime as fotos como qualquer outra imagem ou tipo de impressão em papel, que pode ser papel fotográfico ou qualquer outro tipo, como o Couché, por exemplo.

O processo é, basicamente, tinta sobre o papel. Hoje, há impressoras com custo acessível, as quais contam com esse recurso. Qualquer um pode ter sua própria máquina de impressão.

impressão e revelação de fotos

Revelação de fotos: processo químico para profissionais!

A revelação é um processo químico. É composto por várias etapas, nas quais são empregados produtos que resultam em uma reação fotoquímica.

No caso das fotografias digitais, há uma máquina que replica todo o processo da revelação convencional antiga. O papel utilizado é do tipo fotossensível. Na Viacolor, utilizamos o papel da marca Fujifilm.

Como é feita a revelação de fotos?

O processo de revelação, em função das suas próprias particularidades, oferece uma maior precisão para a sua foto.

Devido à reação fotoquímica, ele gera pontos de cor e sombra em nível microscópico, o quais são formados por cristais de Haleto de Prata no campo digital.

Isso garante maior nitidez às fotos, já que possui um range e espectro muito maior em reprodução, o que assegura um maior tempo de vida do que uma foto impressa.

Tudo isso em um curto intervalo de tempo.

impressão ou revelação de fotos

Diferenças entre impressão e revelação de fotos

A diferença principal está no tempo de duração da fotografia: enquanto o serviço de impressão garante 15 anos de durabilidade em cada foto, a revelação é o processo que faz uma foto durar 200 anos.

 Além disso, há outros pontos que nos mostram o quão superior é o processo de revelação das fotografias.

  • A textura do papel fotográfico fotossensível utilizado na revelação é diferenciada. Por ser mais encorpado, ele garante que a foto dure muito mais tempo.
  • Na revelação, as imagens são mais nítidas. Na impressão, as sombras ficam granuladas e isso acaba reduzindo a nitidez.
  • Na impressão, as cores são mais vibrantes, pois a gama de cores é muito maior. Já na revelação ocorre uma reação fotoquímica, que gera pontos de cor e sombra em nível microscópico, o que torna a imagem mais fidedigna.

Quando se deparar com o momento de decidir entre impressão e revelação, pense em qual geração você gostaria que o seu trabalho alcançasse.

Se você for fazer fotos de uma criança, pense se você gostaria que os netos dela vissem essas fotos. Essa decisão é só sua!

 

Afinal, se não for para eternizar o momento, a fotografia perde o encanto. Não é?