Por que o fotógrafo é um contador de histórias?

Por trás do registro de grandes histórias há, sempre, um grande contador delas. E quando contadas por meio de imagens, procure o nome de um brilhante fotógrafo: pois lá é que ele vai estar.

Com o passar do tempo, equipamentos fotográficos também foram popularizados. Sabemos que, hoje, todos podem tirar fotos. As câmeras de telefones celulares estão cada vez mais sofisticadas.

Isso acontece porque todos queremos documentar e contar uma história. Pode ser a história daquele domingo ou daquele natal… As pessoas querem ter memórias de seus momentos bons.

E a tecnologia é aliada nesse processo. Ela vem avançando e aprimorando equipamentos para que histórias sejam documentadas de forma cada vez mais realista e detalhada.

Empresas estão criando múltiplas câmeras, que são unidas para simular profundidade de campo, por exemplo. Melhora da nitidez, melhora do achatamento de planos… Tudo isso para tornar um relato mais real.

Para que ele não se apague da memória. E qual é o papel do fotógrafo profissional nesse contexto, então?

O fotógrafo testemunha e registra a história…

Partindo do pressuposto que cada pessoa conta uma história a seu modo, uma pessoa comum pode contar sua histórias e esta será, apenas, a sua versão. A qual nunca será igual à de outra pessoa.

Então, quem vai estar lá para contar as histórias mais importantes da vida dela?

Não interessa qual história seja: o dia de seu casamento, o nascimento ou batizado do filho dela, uma grande catástrofe natural ou pequenos acontecimentos do cotidiano…

Quando ela quiser fechar os olhos e apenas viver a história, quem é que vai documentá-la para que ela, no futuro, tenha registros do que aconteceu?

Confie na ótica do fotógrafo para contar sua história

Você, fotógrafo, é o profissional que tem o dom de criar – por meio da observação – uma narrativa para todos os acontecimentos. Nenhum de nós vai saber capturar tão bem um momento – com tanta técnica de criatividade – quanto você.

Além disso, nossos registros são facilmente perdidos entre HDs e locais de armazenamento. O trabalho do fotógrafo, pelo contrário, tem valor: foi feito para atravessar muitas gerações.

Grandes fotógrafos sempre estarão lá para contar grandes histórias.
Steve McCurry. Sebastião Salgado. Platon Antoniou. …

Todos eles são contadores de histórias. Assim como aquele fotógrafo em início de carreira, que está aprimorando técnicas e montando portfólio…

Obrigada pela disposição para contar nossa história em todos os momentos!

Tudo o que você precisa saber antes de comprar equipamentos fotográficos no exterior

Muitos profissionais optam por comprar equipamentos fotográficos no exterior. Seja em viagens ou por meio de e-commerce, esta é uma solução amplamente adotada para quem está adquirindo equipamento de trabalho ou quer fazer substituições.

Mas vale mesmo a pena comprar equipamento fora do Brasil?

Há prós e contras em inúmeras situações.

Por exemplo, você pode estar em viagem e querer comprar equipamentos fotográficos por lá. Uma das principais razões pelas quais as pessoas optam por isso é o valor, que é um tanto mais baixo que no Brasil.

Se este é o seu caso, você precisa ficar de olho na tributação que irá pagar ao trazer o equipamento fotográfico para cá. Há normas com relação a isso e, em alguns casos, seu equipamento pode ser categorizado como “bem de uso pessoal”, sim, e nós falaremos sobre isso mais adiante.

No entanto, se você for taxado, talvez o valor não valha a pena tanto assim. O melhor é colocar tudo na ponta do lápis.

Há outra situação em que profissionais brasileiros compram equipamentos fotográficos do exterior: usando sites estrangeiros. Fazem isso também – principalmente – pelo valor.

Neste caso, há a limitação de catálogo para vendas: na maioria dos e-commerce, nem todos os produtos estão disponíveis para vender a outros países. E, além disso, há demora na entrega.

Se você fez as contas e viu que compensa comprar fora do país, vá em frente. Se você ainda não decidiu, nós reunimos algumas perguntas mais frequentes para quem pensa em adquirir equipamento fotográfico no exterior. Veja:

  • Há risco de ser taxado no aeroporto?

Há esse risco, sim. Isso acontece porque há um limite para o valor das compras no exterior. De acordo com o site do Aeroporto Internacional de Guarulhos, quem viaja de avião para o exterior pode gastar, no máximo, US$ 500 em compras, sob pena de pagar multa de 50% sobre o valor excedente (por navio ou via terrestre, a cota de isenção cai para US$ 300).

  • Câmeras e lentes entram como uso pessoal?

Uma câmera fotográfica pode ser compreendida como bem de uso pessoal e fica, portanto, isenta de taxação. Apenas uma. No entanto, em caso de abordagem, será necessário comprovar uso pessoal desta câmera. Já a aquisição de lentes deve, portanto, obedecer ao teto de (no máximo) 3 itens iguais e estar dentro da quota de US$ 500 estabelecida pela Receita Federal.

  • Quais impostos eu tenho que pagar?

Caso o valor dos bens adquiridos ultrapasse a quota, será cobrado um tributo de 50% do valor excedente a US$ 500. O mesmo será aplicado nos casos em que a sua mala for revistada e não estiver condizente com a Declaração de Bagagem Acompanhada, a DBA, feita pelo passageiro ainda no avião.

  • Se eu transferir o dinheiro para um amigo que está em viagem vou pagar imposto?

Há inúmeras maneiras de enviar dinheiro ao exterior. Cada uma delas tem uma margem de tributação, além de serem serviços e, portanto, cobrar taxas. Para saber mais, leia esta matéria da Revista Exame.  

  • Quais são as alternativas nacionais para compra?

O site do Mercado Livreum e-commerce amplamente conhecido – é um excelente canal de compra e venda. Muitos profissionais da fotografia fazem aquisições com bom custo-benefício por lá.   

A Digimagem é revenda oficial da Fujifilm no Brasil. Tem, portanto, os melhores produtos disponíveis. A loja está localizada em Florianópolis/SC, mas seu e-commerce entrega produtos em todo o país.

4 RAZÕES para NUNCA MAIS subestimar o seu portfólio novamente!

Você pode acreditar que não, mas o portfólio é um de seus instrumentos de trabalho. Afinal, sem ele, é impossível mostrar para seus futuros clientes algumas das maravilhas que você já fez com a câmera na mão.

Carregar um bom portfólio ajuda você a mostrar coisas como:

  • a sua identidade como fotógrafo;
  • a imensa qualidade do seu trabalho;
  • quais são suas referências;
  • qual é o seu estilo de direção.

E aquela foto?

Lembra daquela foto incrível que você fez há dois anos naquele casamento? Pois é… Se você não tiver um portfólio, ela não estará lá para mostrar. E se você não mostrar, como vai provar o profissional incrível que é?

Portfólio é subestimado (mas não deveria!)

De qualquer forma, mesmo sabendo que precisam ter o que mostrar em uma reunião com clientes, muitos profissionais acabam subestimando a produção de um bom portfólio.

A razão disso é que separar algumas fotos e correr atrás de um serviço que produza um álbum bacana parece uma missão impossível para alguns profissionais.

Aliás, essa é uma daquelas demandas que você sempre fala que “vai resolver amanhã” e talvez acabe não resolvendo nunca – porque “falta tempo” e várias outras desculpas que costumamos dar para tudo.

Henrique Ribas, um dos grandes nomes da fotografia fala sobre o quanto materializar um trabalho é importante:

um bom portfólio é uma reunião das nossas melhores imagens. Você pode escolher as melhores fotos que já fez em carreira. Ou então, pode escolher mostrar o ensaio/evento que você mais gostou do resultado. Ou você pode, ainda, escolher mostrar os dois! Sempre haverá um cliente que se identifica e se deixa cativar mais por um ou outro…”

“Que tamanho é esse?”

Uma das principais dúvidas é o tamanho. Você informa que o pacote x inclui 50 fotos tamanho 20×25 e vem a clássica pergunta: “Que tamanho é esse?”

Ribas, explica que, se você tem portfólio, você mostra o tamanho das fotos para o seu cliente. “O portfólio materializa e ajuda a vender esses produtos”, diz.

Preparamos uma pequena lista com 4 razões práticas para você investir logo no seu portfólio. Quer ver?

Você sabe por que deveria investir HOJE MESMO em um portfólio?  

  • Você é um profissional incrível. Mas seus clientes sabem disso?

Você precisa ter coisas para mostrar. Afinal de contas, você já falou que é um profissional incrível. Agora, mostre que é. Tenha em mãos SEMPRE as suas melhores produções. Assim, o cliente vai confiar no seu potencial.

  • Seu instagram é incrível, sim. Mas a foto revelada é mais bonita!

Sabemos que você tem aquela página na rede social. No entanto, a materialização vai cativar seu cliente na hora. Ribas, “a valorização pela imagem, pela memória, tem sido cada vez maior”.

As razões para isso, segundo ele, são inúmeras, uma delas é o apego pela memória e a facilidade de perder as recordações que armazenamos digitalmente:

“um HD pode cair e quebrar. O serviço de nuvem pode expirar e esquecer de renovar. Muitos salvaram imagens no orkut e ele sumiu do mercado. E se o mesmo acontecer com o Facebook? São coisas que precisamos pensar”, afirma.

  • É uma forma prática de apresentar variedade de produtos

É provável que você não trabalhe apenas com ensaios. Então, já pensou em ter uma maneira mais prática para mostrar seus quadros e estojos de pendrive? Tenha um portfólio organizado, que apresente todos os serviços que você oferece.

  • A Viacolor faz condições especiais!

Você não precisa mais criar desculpas para não fazer seu portfólio. Agora, pode aproveitar as condições especiais da Viacolor. Que tal?

Na nossa ação de portfólio, oferecemos desconto de 50% para portfólio. Ele deve ser requisitado junto ao atendimento da empresa e os álbuns devem incluir em algum lugar a palavra “portfólio).

Obs.: há um limite de 3 unidades por cliente.

 

Quero um portfólio! Como escolher o meu?

Temos muitos modelos para você escolher. Confira algumas opções:

Para finalizar essa conversa, Ribas deixa um recado: “Mostrar para o seu cliente implica em ele poder pegar na mão, ver a caixa da entrega, sentir o impacto e o tecido, saber como é. Se você não der essa experiência a ele, você não vai ter como materializar a sensação. E terá dificuldade em vender. Colocar o sentimento pela memória em meio físico é o que traz a decisão de fechar negócio”, finaliza. Para saber mais, clique aqui.